sábado, 20 de novembro de 2010

Aretuza feelings

A primeira bebida, você bebe e saboreia. O segundo já acha meio forte. O terceiro já tá bom. O quarto já te faz levemente sensual. A partir do quinto você já nem sente. Aquilo já virou água, e a vida já tá bonita. Seus amigos mais chatos estão fantasticamente bacanas e as mais feias estão absurdamente interessantes. Você já consegue fazer amigos facilmente, se entender com antigos inimigos, sentir a música de uma forma mais intensa e conversar sobre assuntos profundos se afogando em argumentos estranhamente ótimos. Esse fui eu ontem.

O bêbado da cerveja: como é mais difícil se embriagar com isso, ele normalmente é o mais chato. Fica naquela fase de chatice,se acha divertido, super interessante e não suficientemente ébrio, com conteúdo e argumentos pertinentes sobre qualquer assunto. Política, economia, religião e preconceito. Muita ressaca por  curto período de tempo.

O bêbado da vodka: o mais bobamente felizzZzZzZ. Que preguiça. É o tipo que bebe, sensualiza na balada, desce no funk até o subsolo, se solta na lady gaga e faz a Aretuza no final. Chega pulando nazamiga, fazendo escândalo, pega geral, dá aula (teórica) de sexo oral e ainda tem amnésia alcoolica do dia seguinte e jura que foi a santa. Maior índice de coma alcoolico.

O bêbado do whisky: É a bebida cara e normalmente quem fica embriagado com ela se acha a última bolacha do pacote. E por causa disso são mais conhecidos por serem os inconvenientes da balada. Aquele que grita, mas diferente dos bebados da vodka, não porque estão achando tudo muito lindo e divertido e sim pra causar chamar atenção e constrangimento no mundo. É aquele que fica cutucando ou abraçando enquanto conversa.

O bêbado de vinho: O que se faz intelectual. Tá tão bêbado que já não fala mais nada com nada e o outro bêbado, possivelmente de vinho também, acha que tudo aquilo faz muito sentido. O bêbado reprimido pela sociedade. Aquele que faz poesia quando chega em casa acompanhado de um cigarro. Considerada a pior ressaca de todas. Sua cabeça não roda, ela faz loop e depois entra em quedra livre.

E aí que tá. Independentemente de qual bebida, é você quem chega em casa, deita na sua cama e jura que tá naquelas plataformas de carro: o mundo gira e insiste em não parar. Naquele momento você adquire uma puta religiosidade e um contato místico por ser a última alternativa pautável. Pede pra todos os santos de todos os nomes pra te ajudarem naquela hora ou pra te levarem de uma vez logo. Já pensaram que o santo contratado pra isso deve ser o mais puto de todos? Aquele que deve receber as propostas mais interessantes mas que ninguém cumpre?

"Se eu melhorar, prometo que NUNCA MAIS vou beber e... e... tá, nunca mais uso coco no sexo".

Se cada vez que ele ouvisse isso um panda raro morresse...

6 Comentários:

Juliana Ferreira disse...

"desce no funk até o subsolo" ri muito! USAHUHUASHUSAUH
por tudo isso é que eu não bebo 8)
ja vi gente bebada e realmente eh chato aturar bebado¬¬
eu até hoje nunca fiquei em nenhum desses estados '-' ainda bem :B UHUAHUSAHUSAHU
parabéns pelo post PEDROOOO!
;**s2

Zé Abrão disse...

já é o segundo membro do Risos a contar uma história de ebriedade. Só falta o Toscano.

Gabriel Mota disse...

Presenciei Toscano bêbado de guaraná quinta-feira passada. Goianinho light.

Juliana Ferreira disse...

bêbado de guaraná! UASHUUHASHUSAUHSAUHSAUHSAHUUHH

Juliana Ferreira disse...

eu acho que as pessoas deveriam comentar mais hmm

Naisa Nayane disse...

Eu odeio todos os tipos de bebida alcoolica, o cheiro, o gosto, é tudo ruim !!

'Goianinho Light' UAHUAUUHAUHAUHAHAUHH ridemais. Será que o Toscano é o único que salva ? (acredito que não, isso é só fachada :b)

Postar um comentário