quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Psicologia do medo.

Acho a Psicologia uma área bem bacana de estudos, me interessa várias partes da profissão. Pensei por um ano seguir a faculdade mas a Publicidade falou mais alto. Até porque tem uma área da Psicologia que faz parte dela. E eu estou a estudando neste exato semestre. A matéria denominada Psicologia da Comunicação me faz sonhar alto com aquelas duas únicas profissões lícitas que eu procurei um dia seguir.
Mas minha alegria foi embora logo nos primeiros segundos de aula. Todos esperávamos na porta da sala a chegada da tiazinha professora quando enfim me deparei com um suuuuuuuper clichê: uma mulher na faixa dos seus 40 anos, vestido azul de bolinhas brancas e afins. Por um breve momento, vi meus colegas todos catarrentos, a professora à nossa frente, numa sala de aula improvisada, daquelas que sempre existem nos filmes nordestinos onde cada espirro de uma criança gera um tijolo, tamanha poeira levantada do chão de terra... ¬¬
Ok. Revivi então meus traumas com psicólogas. Não, nunca fui a uma, diretamente falando. Meu primeiro contato com esses seres malignos foi no ensino fundamental, fase de adolescência. A escola programou uma palestra com uma psicóloga. Papo ia, papo voltava e ela sugeriu uma dinâmica. Deveríamos pensar em uma fruta, a primeira que viesse à nossa cabeça. Depois de pensarmos, ela disse que essa fruta descreveria todos nós. Em meio a gritos de "Ai, eu sou maçã", "Hahaha, uvaaa!!", "Hey, sou um Ranger azul..." eu me recolhi na carteira. Tinha escolhido abacaxi e sabia que isso não significaria coisa boa. No final da festa da fruta, quando todos tinham ido embora, compartilhei meu abacaxi com uma amiga. E nós, dois abacaxis incompreensíveis pela sociedade pós-feudalismo [/drama] fomos tirar satisfações com a tal mulher. O resultado: "O abacaxi indica que vocês escondem toda a doçura atrás de uma casca, têm fama de serem durões, mas por dentro são moles e bla bla bla..." Iha! Valeu aí, senhora... Anda me espionando né?
O segundo trauma veio no fim do 3º ano. O colégio mais uma vez lançou mão da profissional para ajudar aqueles indecisos em relação ao futuro. O primeiro teste aplicado? Uma folha com miles continhas de multiplicar e dividir. Esperávamos ansiosos pelo resultado quando ela diz: "Ai, esqueci os resultados em casa. Mas vocês usem a calculadora, vejam quantas acertaram e vejam também o tempo que gastaram para resolver as questões. Vocês se darão o resultado. Você acha que os acertos no tempo gasto são bons?" QUÊ? ISSO É PSICOLOGIA? Eu, que fui alfabetizado em inglês, não poderia estar passando por uma coisa dessas. Não deu mais duas aulas e a senhora se foi, para nunca mais voltar. Ahahaha!
Ok, que na faculdade a coisa é mais séria. A professora realmente sabe, é ótima, nos conta várias coisas incríveis sobre a phsyqué... Mas, pô. Você me irrita. Não é irritar, mas você me dá medo. Você ri demais e parece que a cada respiração nossa ela traça um perfil pra gente. Para quem ainda não conhece, primeira aula na faculdade é igual na escola: o professor pergunta o nome, o que gosta, o que come... Mas a psicóloga tem que ir além... Chegou na sala, escreveu miles verbos infinitivos no quadro e lançou a apresentação: "Nooome, período, o que acha da matéria e qual desses verbos te define melhor. Risos."

A Apresentação:
"Oi, meu nome é Gabrie..." e ela já escrevia algo compulsivamente em sua ficha. "Meu verbo é 'observar' porque sempre faço isso." Fiquei desconfiado pelo tanto que ela escreveu. Pô, medo de ela ter traçado meu perfil, algo tipo: Gabriel, 4º período. Observa. Senta no fundo, ri demais, parece interessado, deve ter transtornos obsessivos, psicológicos. Por pressão pode matar alguém.
A segunda aula foi mais profunda. Ela contou das teorias de regressão, das técnicas de usar força, dor e afins para "educar" pessoas. A psicóloga virou uma espécie de "Mister M" e foi desvendando os mistérios de todas as vertentes da Psicologia. E ela falava, e falava. E eu me sentindo cada vez mais incomodado. Virava pro meu amigo e falava que ela tava num ar de olhar pra todo mundo e dissecar nossos desejos. Afirmei que na última aula ela estalaria os dedos, diria que a gente enfim poderia acordar, que foi muito bom sermos cobaias do estudo de hipnose dela e sairia pela porta, dando gargalhadas macabras.
Sim, eu desprezo quem usa poderes psicológicos para manipular as pessoas. Tá que ela não fez isso com a gente mas vai saber... Meu medo maior é ela perceber esse meu incômodo e querer me analisar mais a fundo. Aula passada ela explicou uns testes que já fizeram com estudantes de psicologia, onde um "ator" levava choques e desmaiava, e o estudante tinha que sempre dar mais choque, a mando do psicólogo mor. Tudo não passava de brincadeira para medir o nível de submissão do ser humano. E se ela entrar numas de medir altos níveis de alunos da Federal? E depois que eu vi uma psicóloga que dizia curar gay, não duvido de mais nada que possa vir deles.

EU TENHO MEDO DE PSICÓLOGOS QUE FALAM TUDO RINDO, TE OLHAM NO FUNDO DOS SEUS OLHOS E DIZEM: "Eu te entendo, mas você parece ter problemas..."

[/Casos de Família]

18 Comentários:

M. disse...

E afinal de contas todos nos estamos fixados na fase oral! Ou existiria um outro motivo pra mantermos a boca sempre ocupada com algo alcoolico? Talvez um trauma de infancia que esse seja o sintomaa!
aaaaaaaah
essa aula é a melhor do semestre *.*

Gabriel Mota disse...

Realmente, a professora disse isso. E aliás ela seeempre disse isso.
"Ai que quem fica muito com a mão na boca é que tá viciado na fase oral..."
E metade da sala tirou a mão da boca nesse momento...

Guilherme Toscano disse...

HAHAHA Ri muito com o texto aqui. Me sinto meio estranho com psicólogos mesmo, maldita sensação de que eles estão te analisando. Em compensação, convivendo com alunos de psicologia (minha namorada faz psicologia), eu descobri que (pelo menos) os alunos estão lá mais para se tratar do que para realmente cuidar das pessoas. Todos loucos por lá.

Hm... então você é um abacaxi...

obs. Eu tava com a mão na boca quando li seu comentário. Tirei na hora.

Vanessa disse...

Adoro ler essas coisas de psicologia...

Mas você ta certo Gabriel, desconfie...
Essas professoras sempre fazem algum teste com o pessoal de outros cursos, mas fica tranquilo que você nem vai perceber não...

Abacaxi, heim?!
=D

Anônimo disse...

Isso porque sua mãe não é psicóloga, meu filho. Aí eu queria ver.

fabianne falcao disse...

hahahaa, um abacaxi! *O*
muito bom o texto, bjs Gabriel ;*

Anônimo disse...

"EU TENHO MEDO DE PSICÓLOGOS QUE FALAM TUDO RINDO, TE OLHAM NO FUNDO DOS SEUS OLHOS E DIZEM: "Eu te entendo, mas você parece ter problemas..."

[/Casos de Família]"

ri muuuuuuito . oauhsoushoshu'

- Eu sou um abacaxi, eu sou seu amigo e vai ter que me engolir /rs

Zé Abrão disse...

psicólogos são de fato assustadores

pedrovitor disse...

Já paramos pra conversar sobre isso, né? Acho que por isso que conhecia bastante do que você escreveu. Você pegou meu verbo. Mas acho que só falaria ele, e não esmiuçaria nada. Ela entenderia melhor o que eu quis dizer.

"obs. Eu tava com a mão na boca quando li seu comentário. Tirei na hora."

acho que todo mundo. HAHA

Taciane B. disse...

juro que me deu vontade de ter aulas de psicologia depois de ler isso!
sempre tive uma quedinha por psicologia e já pensei em fazer faculdade disso...mas desisti também!
apesar desse desejo, eu também morro de medo de psicólogos (minha mãe me mandava fazer as coisas com a ameaça de me levar em algum).hahaha, ótimo texto! beijos.

Rafael disse...

Hahaha....irei cursar Psicologia no ano q vem.
Ri pra Kramba aqui, com vc...kkkkkkk

A 1ª vez q conversei com uma Psicóloga,
tbm senti medo..aquela sensação d "essa mulher já sabe q eu sei q ela sabe de tudo de mim" [nãomesentinadaconfortável].

Mas hoje eu vejo assim...somos todos humanos,
tenho minhas fraquezas psicológicas, assim como os Psicólogos tbm tem as deles...
Não me sinto mais constrangido em ter,
um Psicólogo me analisando..acho até INTERESSANTE D + da conta..haha

=p Abraço, Gabriel!


PS: ADORO PSICOLOGIA !!!

Leane disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk...
a melhor foi a psicologa esquecer o resultado. Ótima profissional.

Leane disse...

Não tinha visto ainda, mas adorei a nova "capa" do Risos.
kissmecall

mariana ♪ disse...

adoreeeeeeeei o post Gabriel :D nosso querido abacaxi (acho que ninguém vai esquecer isso hm).

thaís coelho disse...

[/Casos de Família] kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
otimo texto pra um abacaxi :D haha (brincadeira :B)

hehe disse...

fico me sentindo um animal kkk

Ana Carolina disse...

HAHAHAHA. ri muito.

A psicóloga que conversava comigo [to fingindo carinho, mas eu tinha medo] era bem estranha, me atendia na casa dela e lá era mais estranho ainda. Parecia, cara, uma cabana cheia de panos pendurados, hahaha, medo!
Nos 2 primeiros dias eu fui com a minha mãe de tanto medo que eu tava, parecia que a mulher já me conhecia, ficava me olhando com a cara de amiga simpática mas eu e ela sabemos que não era nada disso [medo] hahaha
eu só lembro que na 10ª vez que eu ia, parei no metrô e pensei: não vou não, ela já me conhece, fala coisas sem sentido, algum dia alguma dessas coisas vai fazer sentido, espero que sim.
e não fui, no dia seguinte encontrei ela [muito tenso]hahaha

Oi, to bem, tenho amigos e o que a mulher da cabana disse faz todo sentido.
hahaha

Beijos Gablo, ótimo texto.

Beto disse...

Psicólogos são realmente muito estranhos...
Ainda bem que resolvi fazer administração (que era uma cosia que eu acabaria fazendo) e não Psicologia...

Mas que eles sabem (ou fingem saber) das coisas, isso é verdade... E sempre ficam olhando agente com aqueles olhos curiosos e "profundos..."

Lembro-me que na faculdade no primeiro dia de aula, a psicóloga nos entregou uma folha, e tínhamos que desenhar o que ela pedia, pq era um teste de personalidade... Ela falou coisas que procediam, e outras que não tinha nada a ver, mas que eu ouvi mesmo assim...

Mas depois disso, não sabia se EU tinha mais medo dela, ou ela de mim. kkk

Abraço!

Postar um comentário