domingo, 15 de agosto de 2010

Bullying.

Todo mundo já sofreu quando era criança. Seja dos primos mais velhos, dos colegas de escola ou da turma do futebol. Todo mundo algum dia já foi descriminado, deixado por último no time de futebol ou zombado por alguma besteira que falou sem querer ou por alguma dúvida que tinha. Se você era magro demais ou gordo demais, não conseguia escrever "buchecha" rápido no teclado ou não sabia fazer a manha de dinheiro no The Sims. Ninguém é perfeito e sempre que houver algum defeito haverá alguém pra ressaltar esse defeito, seja falando para os outros, para você ou te agredindo fisicamente por causa disso.
O Bullying, segundo o pai de todos os burros internautas, consiste em atos em que um sujeito (ou um grupo) em uma situação "de poder" abusa, zoa, bate, ignora ou falta com respeito a um indivíduo "mais fraco". É, é exatamente isso que você sofreu sua infância inteira (e talvez até praticou). Como você vivenciou e deve imaginar, muita criança pelo mundo sofre na mão de outras pessoas por inúmeros motivos e é pra isso que a Liga das Donas de Casa (encabeçadas pelo Serginho Groissman) resolveu se rebelar (tô de brinks, o movimento anti-bullying já tem alguns anos nos Estados Unidos). Alguns casos extremos de pessoas que sofreram bullying resultaram em fobia social, pessoas extremamente inseguras e até suicídios e é isso que as pessoas resolveram combater.

Estamos caminhando para um mundo cada vez mais despreparado para si. Os pais não podem repreender seus filhos e o convívio na escola é pasteurizado. A criança é privada de todos os tipos de decepções e agruras. Não se pode mais reprovar alunos, independente de suas notas. Não se anda mais descalço e não se come mais porcaria. Até quando chega a vida adulta, e no primeiro esporro que o sujeito leva de seu chefe, ele chora. A mãe não está lá pra ele. E cadê a Liga das Donas de Casa pra proteger quando alguém der uma fechada no trânsito e, mesmo estando errado, ir caçar briga com você? O Serginho Groissman não vai estar lá quando sua namorada te largar por alguém mais rico e mais bonito. Sofrer faz parte da vida, e se você não estiver preparado, seu mundo vai ruir ao primeiro impacto que levar.
Não vim aqui para defender o bullying, só não concordo com seu banimento, como pregam as freiras dos colégios religiosos. Quando eu era mais novo, uma criança gorda e sem nenhuma habilidade fora do comum, com poucos amigos e frequentemente zoado por todos os lados, aquilo tudo era uma merda, mas hoje eu tenho maturidade o suficiente para compreender que aquilo também fez parte do meu aprendizado. Quem eu seria hoje caso não tivesse aprendido a reagir? A gostar mais de mim? A confiar e ser confiável para quem estava na mesma posição que a minha? Quem eu seria hoje caso, em vez de me maltratarem, todos me mimassem e bajulassem? Hoje falo com certeza que o bullying foi um dos formadores do meu caráter.
Repito: NÃO ESTOU FALANDO QUE VOCÊ TEM QUE BATER NO SEU AMIGO GORDINHO. Estou falando que, amigo gordinho, você é melhor que isso tudo. Se levante, não deixem que falem mal de você. Fale mal de volta. Se você não consegue entrar em um grupo, monte seu próprio grupo e o faça melhor do que o deles. Pegue o que você tem de melhor (mesmo que seja seu Paladino nível 73) e considere que isso é que é ser bom. Não deixe que ninguém te diga o contrário. Denuncie o valentão da escola para a Polícia, fale que ele está vendendo crack para prostitutas e dando o cu por dinheiro. E, mães preocupadas, protejam sim seus filhos das drogas, das brigas e da AIDS, mas deixem eles viverem um pouco mais. Colocá-los dentro de uma bolha contra o mundo só vai fazer o choque ser maior na hora de sair da bolha.

14 Comentários:

Arthur disse...

G-Ê-N-I-O
Melhor texto da sua vida.

Pedro Lobato disse...

Mandou bem, Toscano!

Vale ressaltar que o Toscano foi um grande praticante de bullying na vida de colégio. Digo isso, pois antes de virar amigo dele, já sofri bullying do próprio! hahahahahaha
Eis uma lição da vida, você tem a aprender com aquele valentão malandro do seu colégio. Ele tem o que aprender com você. Reflitam

luu disse...

muuuuuuito bom
sério .

Zé Abrão disse...

gostei muito do texto Toscano. Eu também sofri, claro, e creio que isso deixou marcas profundas em quem eu sou hoje, mas não a vejo com esses olhos de aprendizado. Por outro lado, concordo plenamente contigo na parte da "bolha" e das crianças mimadas. eu me achava mimado até ver muita molecada por aí, essa parada de politicamentee correto e superproteção tá virando uma paranoia global e lance nem é o cara chorar quando sair da bolha, e sim o cara sair da bolha e não fazer a mínima ideia de como se virar sozinho.

mariana ♪ disse...

Como eu já disse no twitter: Achei genial. Parabéns, Toscano *-*

PS: O Risos. fica melhor a cada post! Acompanho desde o começo e posso dizer sem hesitar que é um dos meus blogs favoritos. Parabéns, Guilherme, Pedro e Gabriel :D

Key Maia disse...

lindoooooooo ameiiii
falo tudo prabens guilherme

Duda de Oliveira disse...

Talvez eu seja mesmo melhor que as menininhas que zoavam comigo nas aulas de educação física. Sou mais inteligente e bem sucedida que elas hoje (beijo, vacas!) mas mesmo assim... eu nunca mais quis e nem vou querer e nem tenho coragem e nem acho que conseguiria, sei lá, jogar vôlei com a galera na praia, num sábado à tarde, ou praticar algum esporte freqüentemente, whatever. Traumatizou, sabe? É foda. Depois de um tempo a gente supera, mas criança nenhuma encara isso de boa.

Naisa Nayane disse...

Uau, ARRASOU !!!!
Super concordo com o fato da pessoa reagir; Claro que não deve passar dos limites, mas geralmente as pessoas fazem isso com os mais 'fracos' os tímidos não têm coragem de responder, e por isso que acontecem esses casos de mortes e insegurança.
Sou a favor dessas campanhas 'a lá' Seginho 'Gronihsdhi' principalmente pelo fato de que 'tudo começa na escola' drogas, povo revoltado e etc. Repetindo: sou a favor de um 'caia na real garoto' mas não do bullyng.

Anônimo disse...

resumindo: pratique o bullying saudável (:

Gustavo disse...

Gostaria de ressaltar que as freiras dos colégios religiosos,em geral,tão pouco se lixando pro que rola dentro desde que elas estejam faturando uma boa grana

Erica Silva disse...

Cara, que texto! Genial!

Sucesso!

Gil disse...

Toscano, concordo quando você diz que as crianças não devem ser criadas dentro de uma bolha ou serem super protegidas. Mas eu acho que isso não tem nada haver com bullying. Menosprezar uma pessoa pelas suas características físicas e comportamento traz consequências muito graves pra vida de uma pessoa, como as que vc mesmo citou no texto!
Quer ensinar uma criança a ser um adulto de verdade: mostre a ele o mundo e os seus problemas, e ensine uma lição muito importante pra toda a vida: o respeito ao próximo.
Abraço

@daanihh disse...

Excelente texto! :D

Francis Leech disse...

É desse jeito mesmo. Não me imagino sem ter passado por todo o bullying que eu passei (e foi bullying pra caralho)

Postar um comentário