sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Ana Carolina em "N9VE"

AEEE RISOS! Mais uma vez, eu, Pedro Carvalho, fui escolhido pra fazer mais uma cobertura de um super evento pra vocês! Dessa vez trata-se do show de uma cantora nada convencional, uma cantora que por fora demonstra certo tipo de CULTura e por dentro só tem muita crítica e sensualidade pra ser abordada. De quem estamos falando, Tio Pedro? Estamos falando da mulher que o MC Catra tem fantasias: Ana Carolina! *aplausos*

É muito normal que Ana Carolina cause a síndrome do "8 ou 80" no pessoal: ou ama ou odeia. Acham sem graça e outros, intensa. Uns promíscua, outros polêmica. Saindo um pouco da esfera paradoxal que ela se encontra, é uma cantora que, independentemente de ser amada ou odiada não faz a mínima questão de entrar no debate. Ela faz o que ama e dá pra sentir essa paixão em suas músicas. E é por isso que os fãs da cantora são tão... digamos... efusivos. Mas até a que ponto que isso pode chegar?

Pra quem não sabe, eu sou um grande fã da mineira, e assim sendo já estive presente em 3 shows da cantora. Nenhum deles eu consegui voltar pra casa sem ser xingado ou sem ter levado uma cotuvelada. E isso por que? Porque os fãs dela são 100% vidrados e não abrem mão de estar um pouco mais perto da "diva" (apelido carinhoso que fãs deram a ela muito antes da música da Beyoncé tocar nas rádios). Vocês bem devem saber que, por falar abertamente de sua orientação sexual e por tratar de tal assunto como algo fora dos tabus de origem, é um show repleto de casais homossexuais e/ou meninas loucas pra dar um trato na cantora. E isso é visível nos comentários feitos em alto e bom som durante o show. E "ai" de você se elogiar mais a Ana Carolina que a caminhoneira do seu lado. Não se engane, tem muita menininha bonitinha à primeira vista ali, mas quando você pisa no calo delas, sai de perto, ela mostra a tatuagem do presídio que tem no braço e já levanta a voz grossa. Mas não se acanhe, isso é "normal".

Falando no mesmo, e já entrando no assunto, Ana Carolina lançou sua 10ª obra intitulada como "N9VE", uma vez que - além das 9 faixas do CD - tem uma grande simpatia pelo número que a "persegue" por toda sua vida, a começar pela data de nascimento (09/09). Após sua estréia na capital carioca, o caminhão da produção dá a honra à Goiânia de ser a primeira cidade a prestigiar a turnê do seu novo CD, considerado bem mais bem-humorado, com toques de samba e batidas fortes de tango.

Conhecida por sempre inovar, Bia Lessa, diretora de palco e cenógrafa, mantém a tradição. O show começa com Ana Carolina nos ares, em meio as núvens que enfeitam a capa de seu último CD. Uma grua a suspendia com um suporte próprio para que o violão a acompanhasse formalmente na canção "Que se danem os nós", gravada em 2001. Obra essa que - além de outras como "Dois Bicudos" e "Hoje eu tô sozinha" - já a maioria dos fãs não esperavam mais ouvir ao vivo. E ela não surpreende somente dessa forma. Uma espécie de cachoeira foi instalada para dar um ar mais intimista e melancólico à canção "Corredores", e a cantora fica atrás dessa cortina mostrando suas pernas, antes nunca vistas por causa dos frequentes terninhos (ou uniformes, segundo a própria Ana) usados nos shows. Continuando a onda, Ana conta com seus 4 inseparáveis amigos para um samba informal feito de um modo bem inusitado: enquanto ela bate em seu pandeiro, os rapazes batem colunas de madeira no chão, tudo em perfeita sintonia roubando samba da maioria dos fãs que ouviam.

Saindo da inovação e começando o que já é de praxe, Ana Carolina nunca abandona a frequente temática sexual que a acompanha em seus shows. Na turnê passada, "Dois Quartos", um vídeo com pin-ups de mulheres dos anos 50 passava no telão para ilustrar a polêmica faixa "Eu comi a Madonna". Já na turnê atual quem faz o serviço é a canção "8 estórias", em que a cantora relata oito possíveis relacionamentos homossexuais que já tivera, com vídeos mostrando a "intimidade" da mulher em cenas no banheiro com calcinhas arriadas, enroladas nas toalhas, no banho, etc., na metade do telão que enfeitava seu palco repleto de músicos já conhecidos por shows anteriores.

Por mais que o show seja envolvente, não só eu como a maiorias dos fãs mais assíduos esperam ansiosamente pelo final do show, em que a cantora recepciona alguns dos fãs que a esperarem até... que ela esteja a fim de nos receber. Eu tive a sorte de conseguir entrar no camarim no 2° show que fui, e confesso pra vocês que quase molhei minhas calças quando a vi. Minha perna tremia tanto e eu tava tão nervoso que já estava saindo sem pedir autógrafo no DVD que eu levei especialmente pra isso, mas consegui. Além do DVD, mostrei um cartaz que fiz com a ajuda de uma amiga e ela riu e nos agradeceu pelo empenho. Hoje sei que valeu a pena ter recebido xingamentos pra levar pra minha mãe enquanto tampava a visão de algumas caminhoneiras ao levantar o cartaz durante o show. Dessa vez foi algo menos prolixo. Ela terminou o show e foi pro hotel. Por mais que fosse verdade, os fãs não acreditavam e eu, com credencial de imprensa, consegui a confiança do segurança pra que me levasse até o camarim para que eu fosse o porta-voz dele e confirmasse a tal história do paradeiro da Ana. E não é que fui ameaçado pelas caminhoneiras e pelos "amiguinhos" delas?

- SE ELE FOR E A GENTE NÃO EU JURO QUE EU ARREBENTO ELE LÁ FORA. É ISSO OU NÃO É MENINAS?
- ÉÉÉÉÉÉ

Que simpatia, não?! O mais bonito nessa história toda é que todo mundo levanta a voz, xinga, bate, empurra, insiste e chora, mas é tudo por uma razão. Pra poder chegar um pouco mais perto da origem de todas aquelas músicas que escrevem a vida dessas pessoas. Toda a raiva, pra poder chegar diante daqueles 1m78 e dizer aquela voz já foi trilha de muitos momentos que todos ali já passaram. Talvez chegar e dizer, assim como eu disse: "Ana, não acredito que eu tô aqui, com você na minha frente" [/gay] e receber um sorriso sincero, o sorriso mais lindo que já vi na minha vida.

8 Comentários:

Gabriel Mota disse...

É isso aí... ♫
Risos.

nynebacchi disse...

A voz dela é viciante e ela é tão ...?! Não tem um adjetivo complexo e belo o bastante para descrever Ana Carolina.
Nunca fui em show dela, mas no dia que eu for, certamente vou apanhar de caminhoneiras! haha

thaís coelho disse...

Ah, eu gosto bastante das musicas dela.
Falou em Ana Carolina e o Tio Pedro se empolgou! iudshfud =D

ladislauns disse...

Cara, acabei de assistir, sem nenhum motivo em especial, pela primeira vez o DVD Ana e Jorge.. tá aqui na minha frente..
E então vejo nos meus RSS e... tá lá: Ana Carolina... Não pude deixar de pensar "Ó, que coincidencia..."...
Qnd vou ler... Meu Deus! Olha o DVD ali...
hahaha
Nem sei se eu acredito mais em coincidencias...
minha vida é circundada delas e sempre é mais ou menos desta forma... assim como o número nove na vida de Carolina...

abss

anna disse...

eu gosto de ana carolina, mas não posso deixar de achá-la um pouco clichê e tudo o mais. de qualquer forma, ela se destaca no mercado musical brasileiro.

Leandro P. disse...

Hahaha, eu já tinha lido, mas estou comentando agora.
Entao, sobre o texto, eu gostei, como sempre, bem escrito...
Agora sobre a Ana Carolina, eu num sou dos mais fãs, mas tem uma ou outra música que escuto de vez em quando e gosto (:

IsaPriore disse...

Meu, quase chorei com o final, super tocante *-*
Acho que eu seria mais gay se encontrasse com uma das minhas divas ou divos OH GOSH!

Anônimo disse...

Meu nome eh kitty, sou fã da Ana desde 1999, e tipo, eu aprendi mais com suas letras, do q em livros. Humildade, interesse nas coisas ao redor, cultura, amor,,,,enfim, Ana ñ faz apenas musicas, faz protesto, faz amor com seu doido e doído cantar!

Ana eu te amo

Postar um comentário